sábado, 28 de novembro de 2015

vestida de negro.

na noite escura...
vestia de negro,
mas...carregava luz.
descalça de mentiras...
despida de apego...
transportava com carinho
milhares de amores!
na escuridão enigmática,
como o traje que trazia...
amores de tantas cores 
davam à noite magia!
a noite estava escura.
e minha alma um breu...
estava sóbria porque via 
as estrelas lá no céu!
e assim vou caminhando
sem conseguir entender!
o que faz gente tão frágil....
que pouca paixão adquiriu,
não é como os amores... 
nem como as estrelas do céu.