quinta-feira, 11 de setembro de 2014

mistérios da alquimia

um dia vou escrever um poema....
lindo... de amor!
quero lê-lo na tua presença,
quero partilha-lo contigo!
quero sentir teu olhar
e minha alma iluminar....
com o silencio dos teus sentidos!
quero ver o sorriso do teu olhar
e partilhar contigo,,, os meus mil sorrisos...
abraçar teu corpo quente
e sentires o meu,
frágil e refrescante.
misturar nosso beijo...
boca quente boca fria...
sou teu refresco no calor,
és meu aquecimento no frio!
mas na alma transporto
uma inundação de amor...
pois todo o gelo derrete,
com uma fonte de calor!
mistérios da alquimia!!!

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

onde mora o amor

é na pequenez de um olhar....
num místico e breve sorriso,
que está a imensidão do amor,
o dom de alimentar a vida!
não no valor da carteira
que transporta um doutor.
mas sim.....
nas margens de um enorme coração!
é a expansão da humanidade....
movida a vapor, lágrimas e suor!
a nobreza está na alma
carregada de emoção...
não só no diploma moldurado,
à vista da multidão!
não podemos ser todos doutores...
dá valor à humanidade
não menosprezes o homem,
senão.....
quem te cobria do relento?
quem matava tua sede
e amassava teu pão?
já sacias-te tua fome.....
haja amor, no coração!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

minha alma minha luz

eu que suspiro...
ao emergir minha alma...
são saudades dos campos
do amarelo dos pampirros!
saudade do monte, do brilho do sol
que se entranha nas águas dos rios.
só alcanço, meu poste sombrio!
como posso colorir... meu rosto vazio?
como pintar minha sombra,
num vidro partido!
são rastos meus estampados no pântano,
e à águas a fluir...
são olhares que eu desvio!
queria um dia...gritar vitória,
se vieres em minha memória.
mas quem surpreende é a semente,
surgida um dia do céu....
vinda no vento...
plantada na vida, surgida do ventre!
e o anjo nasceu.



domingo, 7 de setembro de 2014

regressei feliz

saía da moldura....
tão bela me pintaram
trazia brilhantes...
estrelas cintilaram.
luas de prata!
olhei-me no espelho
e fiquei a meditar
quanto pagariam para me encantar....
um belo manto, sobre mim pairava
que flores seriam estas?
tão belo perfume, me suavizava!
parecia princesa de um conto de fadas,
seria rainha de um castelo assombrado!
não sou borboleta, nem sou flor
saída da moldura...serei amor!
terei séculos de história...
será que com perseverança,
voltarei á vida!
sonhos rebeldes revitalizaram os meus sentidos...
agora sei que abito alegremente encantada...
voltei á vida, outrora literariamente apagada.
já não estou a sonhar....
estou acordada!!!