sábado, 22 de fevereiro de 2014

passei na chuva e falei de ti.

esmoreci, falei ao vento...
andei à chuva e falei de ti!
mas não falei contigo!
sou uma mão cheia de areia no vento
fico imóvel quanto ao teu sofrimento.
construída de sonhos soltos, mas..
não consigo sonhar!
tu fortemente foste de confrontada...
sofrendo, morrendo sem morrer...
e eu fico parada, mobilizada,
pouco ou nada posso fazer!
ó meu doce Criador
não a arrastes por favor
que ela deve favores à vida!
é cristal, é amor e gargalhada...
eu que sigo este caminho...
peço aos mansos compaixão!
comigo tens que falar
porque estou a sufocar,
 mensagem do coração.
és mãe doce e dedicada...
minha eterna amiga de longa estrada.
que a tua força permaneça!!!
que venha no vento, que venha!
mas... meu anjo foi embora....

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

o que ditam os teus olhos!!!

o que ditam os teus olhos?
lágrimas de primavera
lembranças de um saudoso
e ofegante verão!
o que ditam os teus olhos?
abraços de dois corpos
entrelaçados de paixão!
olhares que se cursam
num outono despido
e se refletem lapidados
no fundo do rio!
o que ditam os meus olhos?
almas gémeas que passam
por eternos desafios!
olhares que se atracam
e por fim se desviam.
o que vêm os meus olhos?
sem mais cumplicidade...
flocos de liberdade!!!
mas... como nada é eterno
gravei teu coração
 no gelo do inverno!!!  

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

no peito vai a saudade.

Na alma fica a saudade
no coração há amor
mas em muitos mortais
há angustia,
ódio e rancor...
no vento vai a vida
o sonho e o seu esplendor.
mas em dias de fúria
causa devastação e muita dor!
e de novo transforma vida
dos que ficaram perdidos
na imensidão da dor!
é a brisa da paz,
enviada por um Deus maior!
cheio de amor.
quem planeia o que diz?
diz o que sai do peito
mas o coração?!
 é um mero aprendiz
e ás vezes...
nem sempre sabe o que dizer!

saudade minha.

 
de coração para coração,
da saudade até descobrir,
da tristeza até ter a certeza.
da solidão até relembrar
o dar de mãos!
a alegria de recordar
o aroma das rosas
a sabedoria por ter,
o dom de se apaixonar,
de amar,de sentir...
de viver intensamente!
de intervir.
não ter a destreza de fingir!
revelar à vida, à multidão,
que dentro do peito
vive um grandioso coração!
e bem perto alguém,
o ostenta e lhe dá a mão...


amo a vida.

construí sonhos em cima de sonhos,
sonhos construídos sobre muralhas
sólidos como castelos,
e sonhei!
 forcei mil e uma vez o sonho
e tentei ensinar a sonhar!
mas... o sonho era só meu
e acabou por se desmoronar!
 não ficou pedra sobre pedra,,,
foi como um castelo de areia
 na beire do mar!
contra o tempo e a maré
continuei a lutar!
mas a luta foi em vão
nada ficou para salvar!
saúdo a Deus e aos meus
que em tempo de  tempestade
sempre me vierem amparar!
pelos vosso amor
e pelo meu.... amo a vida!

na longa estrada da vida.

Ai o que seria de mim!
se não soubesse voar
ai o que seria de mim...
 se não soubesse colher o meu pólen
 e pernoitar no jardim
correr, viver de alegrias,
o que seria de mim!!!
das amarguras da vida
também se colhe flores!
também se cativa o cativo
e se colhe amores!!
amor teu amor meu
amante prefeito da vida!!
diamante por lapidar
escolha eterna nascida!!!
no escuridão da noite
na longa estrada do dia!