quinta-feira, 19 de setembro de 2013

no silencio negro da noite


No silencio negro da noite
caminho ao vento...
ao longe, ouço o canto do rouxinol
que me embala numa melodia
faz a noite parecer quente
quando ela está tão fria
e minha alma gela
no meio desta fobia
e o rouxinol encanta
 e o vento assobia
e caminho na estrada
com a sacola vazia
ouvi o cavaleiro da noite
e via a mata orvalhada
no silencio nascia o sol
e do nada irradia
e já era outro dia.